CCIBH

Tel/Fax: 55-11-5044-3601

info@ccibh.com.br

Mapa do Site

 

melhor visualizado

em 1024 x 768

Home Conheça a Câmara Associe-se Serviços Dados dos países Links e Oportunidades Notícias
   

CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA BRASIL- HUNGRIA

   

 

 

História

Especial

1956

Especial

Admin. de Crises

 
 

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES

Sergio Muniz de Souza(*)

CONCEITO

Crise vem do grego. Significa tanto separar como decidir.

Como em chinês e em japonês a idéia é expressa pelo uso conjunto dos ideogramas correspondentes a oportunidade e perigo, há quem conclua que crise seria uma oportunidade, a de "dar a volta por cima". Nada disso. Naqueles idiomas, o sentido é apenas o da possibilidade de situação perigosa. Em português, define-se como a "manifestação violenta e repentina de ruptura de equilíbrio" (Aurélio).

Toda crise é imprevisível, aberrante, súbita, intensa, onerosa, urgente, prioritária e agressiva. Não se confunde com emergência, que se poderia entender como uma aceleração de fases e, portanto, até que razoavelmente previsível.

 ADMINISTRAÇÃO

Como administrá-la? O crisis management tem cinco regras básicas:

  1. Em primeiro lugar, admitir realísticamente que todos - pessoas físicas e jurídicas - estamos sujeitos a crises. Não há receitas mágicas para evitá-las.

  2. Aceita a premissa, fazer a lição de casa: elaborar um plano de ação exeqüível (disaster sheet), que, projetando o pior cenário possível, defina claramente prioridades, tarefas e responsabilidades.

  3. Mas o melhor plano do mundo será inócuo se os encarregados de executá-lo não forem treinados e motivados.

  4. Manter atualizado o esquema, aproveitando o feedback dos participantes.

  5. E, finalmente, adotar o lema do escoteiro: sempre alerta.

OS SETE PECADOS CAPITAIS

O que não fazer em tais situações?

Ou seja, evitar atitudes erradas, muito mais comuns do que se imagina. São sete - daí o subtítulo "pecados capitais":

1. Ignorar, por arrogância ou incompetência. Ou ambas.

2. Fingir que não existe. A chamada "posição do avestruz".

3. Resignar-se, aceitar. Maktub (estava escrito). O conformismo fatalista.

4. Minimizar. Caçar elefante com estilingue.

5. Procrastinar. "Não esquenta, depois a gente dá um jeito".

6. Maximizar. Matar pernilongo com bazuca.

7. Apavorar-se. Perder o controle emocional, reagir histericamente. "When in trouble, when in doubt/run in circles, scream and shout (em perigo ou em dúvida, agite-se, grite, berre)".

Atire a primeira pedra quem, em sua vida pessoal ou empresarial, não terá tido pelo menos a tentação de cometer um (ou vários) desses pecados.

- Texto adaptado do livro COMUNICAÇÃO EFICAZ DESCOMPLICADA

(*)Sergio Muniz de Souza, 3º vice-presidente da  Câmara de  Comércio e Indústria Brasil-Hungria,  é consultor  internacional  em  comunicação estratégica e comércio exterior.                       www.mdsconsult.com.br

 

 Atual em 31/12/2006 - contato com webmaster